29 de mai de 2008

Livro

Em sobre a brevidade da vida, Sêneca parte da opinião comum de que “a vida é breve”, e discorda dela. Para demonstrar sua tese, ele propõe uma reflexão sobre a ocupação e o ócio: É muito breve a vida dos ocupados. A vida divide-se em três períodos: o que foi, o que é e o que há de ser. Destes, o que vivemos é breve; o que havemos de viver, duvidoso; o que já vivemos, certo. Eis o que escapa aos ocupados, pois eles não têm tempo de reconsiderar o passado e, mesmo se tivessem, ser-lhes-ia desagradável à recordação de uma coisa da qual se arrependem. É próprio de uma mente segura de si e sossegada poder percorrer todas as épocas de sua vida; mas o espírito dos ocupados, tal como se estivesse subjugado, não pode se voltar sobre si mesmo e se examinar.
Portanto sua vida se precipita num abismo. É extremamente breve a vida dos que esquecem o passado, negligenciam o presente e receiam o futuro; quando chegam ao termo de suas existências compreendem tardiamente que estiveram ocupado em nada fazer. Portanto anseiam por uma ocupação qualquer, e todo intervalo de tempo entre duas ocupações lhes é um fardo. A espera de qualquer coisa por que anseiam lhes é penosa, mas aquele instante que lhes é grato corre breve e rápido e torna-se muito mais breve por sua própria culpa, pois passam de um prazer a outro e não podem permanecer fixos num só desejo. Perdem o dia na espera da noite, à noite, de medo da aurora. Em meio a grandes labutas, conseguem o que desejam e ansiosos conservam o que conseguiram; entretanto não têm consciência de que o tempo nunca mais há de voltar. Novas ocupações seguem-se às antigas, a esperança suscita esperança, a ambição. Não procuram um fim às misérias, mas mudam seu assunto. Tendo aquele obtido os cargos com que tanto sonhava, deseja abandoná-los e repete incessantemente: “Quando este ano passará?”. Dentre todos os homens, somente são ociosos os que estão disponíveis para a sabedoria.

Lucius Aneus SÊNECA. Sobre a brevidade da vida.

0 comentários:

Adhemar Ramos

Busca Bing
14/12/1942 - 04/02/2012
Até o seu último momento, formou livres pensadores ajudando no despertar de consciência da Obra do Eterno na Face da Terra "PAX". Estudioso de muitos anos sobre assuntos esotéricos. Membro da Sociedade Brasileira de Eubiose, instrutor e orientador nas escolas de iniciação eubiótica, divulgador de conhecimentos iniciáticos através de jornais, revistas, rádio, televisão e também através de palestras, cursos e workshop. Este conhecimento procurou divulgar através dos seus programas da Radio Mundial FM 95,7, onde abordava diversos temas esotéricos, deixando um legado de extremo valor.